• Sara Brunelli

Como comprar menos roupas - na prática

Abri uma caixinha esses dias lá no Instagram para conhecer as promessas-planos-metas das pessoas nesse início de ano e não deu outra: todo mundo quer consumir menos. Super legal que estamos mudando os hábitos, né? Mas sempre que eu falo sobre consumo gosto de ressaltar e lembrar o seguinte: o problema do consumo não é do indivíduo. Compre menos sim, mas não esqueça que o ritmo de produção das grandes empresas é um problema sistêmico, não uma culpa individual. Dificilmente a gente vai salvar o mundo deixando de comprar. A gente salva o mundo mudando o sistema que gere ele.


Pois bem, sabendo disso, vamos ao principal: como eu posso comprar menos roupa e, ainda assim, ficar satisfeita com o meu guarda-roupa e o meu estilo?


Como eu sempre falo por aqui, a roupa que a gente veste é carregada de afeto, história, expressão, identidade. Nunca é só mais uma calça jeans. Repara só: de quase toda peça você tem uma história, um carinho, uma raiva ou alguma descrição para além do "é, me serve".


Por isso não rola só falar "compre apenas o necessário" porque cada um tem o seu necessário (que nem sempre é a definição convencional de necessário). Dito isso, vamos ao que você precisa saber pra comprar menos roupas:


Conheça muito bem o seu corpo

Conheça de sentir o que você gosta nele e o que não gosta, onde aperta, onde folga, o que você quer mostrar muito e o que você quer mostrar pouco. A roupa age diretamente com o nosso corpo e promover essa relação da forma mais saudável possível faz com que a gente evite de comprar um monte de roupa que é linda, mas incomoda.


"Apertou um pouquinho, mas vou levar" além de machucar o seu corpo ocupa espaço no seu guarda-roupa (no sentido de ocupar mesmo, porque mal vai ser usada). Comece, então, conhecendo bem o seu corpo e só aceitando peças que respeitem ele. Ah, e se rolar ajuste, sai da loja já direto pra costureira pra não correr o risco de ficar parada também.


Quanto mais pré-requisitos você coloca, menos você compra - e de quebra ainda fica com um guarda-roupa bem mais legal, que funciona e te agrada.


Tenha uma lista do que você quer e faz sentido

Toda vez que você colocar um look e sentir falta de uma peça nele, anota. Se sentir mais de uma vez essa falta, anota isso. Quanto mais looks sentirem falta dessa tal peça, maiores são as chances de ser uma ótima escolha no seu guarda-roupa. Além disso, ter uma lista evita compras por impulso. Por exemplo: não rola ir no supermercado com fome e sem lista de compras, né? Também não rola entrar numa loja em promoção sem entender bem do seu estilo e guarda-roupa.


Uma blusa com 70% de desconto pode parecer uma excelente escolha, mas não comprá-la também pode ser. Esses descontos existem para te motivar a levar mesmo, sem pensar muito. Por isso, para combatê-los, exercite o pensar e o planejar.


Dedique-se a usar o que você tem

Todo mundo sente falta de uma novidade - e roupa nova preenche isso, né? Pra evitar sair comprando só para ter algo novo, dedique-se a conhecer o que você tem e novas formas de usar essas peças. Para isso, saia do óbvio, estude conteúdos na internet, faça uma consultoria de moda comigo, experimente tudo o que você tem! Você precisa trazer esse ar de novidade para o que já existe, reinventando e descobrindo novos jeitos de usar o que você já tem.


Usar a mesma calça jeans + blusa branca todo dia enjoa mesmo. Mas se a cada dia você dobrar uma barra, amarrar aqui e ali, usar uma sobreposição, um acessório, vestir ao contrário - e por aí vai - fica bem mais difícil enjoar, né?


Não desista de uma peça logo de cara

Tente de tudo: novas combinações, reformas, customizações, troque peças com amigas, tudo que movimente seu guarda-roupa e ocupe sua cabeça sem precisar comprar algo novo. Colocar metas e pequenos desafios também pode te ajudar! E aí vai com o coração aberto: se permita gostar e desgostar, faz parte do processo sentir coisas.


Lembra sempre que comprar menos é cuidar melhor do que já existe, justamente para não precisar comprar algo novo.


Não siga um monte de loja no Instagram

Siga aquelas que você gosta muito ou que te ajudam com algum conteúdo, por exemplo. Quanto mais perfis te vendendo roupa no feed e nos stories, mais você vai sentir que precisa comprar. Paralelo a isso, cuidado também com perfis que só compartilham modismos, novas tendências e fazem você sentir necessidade de sempre ter a peça mais queridinha do momento para, só assim, ser estilo (até a próxima queridinha, é claro).


Entenda seu estilo como um todo

Na construção do estilo pessoal não tem só roupa: tem música, maquiagem, filme, acessório, comportamento, lugar e mais um monte de coisa que te representa. Por mais que comprar-uma-roupa seja a forma mais conhecida de alimentar um estilo, viver (na sua plenitude de escolhas) também alimenta. Foca nisso e veja como o seu estilo vai impulsionar cada vez mais.


Pra fechar, respeite sua trajetória

Se você nunca pode comprar roupa nova durante a vida (ou só podia comprar uma vez no ano) não é sua obrigação diminuir 100% o consumo agora. Se é, finalmente, o momento da sua vida em que você pode, compre! Claro que com responsabilidade e seguindo todas as informações colocadas aqui, mas não fique se punindo por isso. Lembre-se: não dá pra comparar uma pessoa que comprou roupa boa a vida inteira, tem um closet cheio e agora resolveu dar um tempo com alguém que só tinha roupa nova no aniversário e agora consegue ter acesso a um pouco mais. Recortes são importantes. Sempre.